Primeiras publicações sobre Lindy Hop no Brasil

Diário da Noite – 4 de fevereiro de 1941

Diário da Noite | 4-12-1941 

LA CONGA + LINDY HOPP = CONGEROO 
Do Harlem para os palcos do Rio 

Foram os pretos, vindos da África como escravos, que trouxeram para o Novo Mundo os ritmos bárbaros de sua dansa nativa. Os “f(?)”, os “shymmies” e os “swings” que invadiram os nossos salões e abalaram o prestígio das valsas, tiveram origem nos “meetings” festivos e nos rituais da raça negra norte-americana, como o tiveram nos dos nossos negros os “frevos” e os “maracatús” que nasceram nos quilombos de Pernambuco. Entretanto, respeitando o estilo, repleto de manejos e esperneios, os pretos do Harlem foram adaptando às exigências da vida moderna e agitada dos nossos dias novas criações que transformaram os bailados de hoje numa caricatural exibição da arte coreográfica. Entre as últimas novidades do gênero, sem dúvida a maior de todas, figura o “Congeroo”, que, dentro em breve, será mostrado aos cariocas no “grill” refrigerado da Urca. Vão apresentá-lo, em exibição pessoal, seus legítimos criadores, os “Whitey Congeroo Dancers” – três homens e três mulheres que possuem fôlego de gato e que, com a dansa que inventaram, misturando “La Conga” com o “Lindy Hopp”, obtiveram o primeiro prêmio num concurso realizado em Nova York. Trata-se de uma verdadeira exaltação coreográfica, violenta, acrobática e cheia de lances cômicos e cuja exibição pela primeira vez no nosso país não deixará de ser um dos melhores sucessos da cidade. 

A Noite – 10 de dezembro de 1941

A Noite | 10-12-1941 

TRIUNFO “YANKEE-BRASILEIRO” 
The “Whitey Congeroo Dancers”, americanos, e os Irmãos Queirolos, brasileiros, empatam uma partida – No “grill” refrigerado da Urca 

Transpor os umbrais daquela porta giratória que nos conduz aos interiores da Urca, levando-nos aos seu “grill” deliciosamente refrigerado, é o mesmo que mudar, com um simples passo do Senegal para o Tirol. Que diferença de clima! E depois, lá dentro, que ambiente agradável! Gozá-lo por algumas horas é uma necessidade, principalmente agora, nesse tempo de canícula. Além disso, a satisfação é completa, porque, se o ar condicionado faz bem à saúde, as danças, os “shows” e outras recreações, que a Urca proporciona aos seus elegantes frequentadores, fazem bem ao espírito. 

Mas essa questão de ar condicionado não é precisamente o que se pretende salientar aqui. O objetivo desta notícia é divulgar o grande sucesso dos “Whitey Cangeroo Dancers”. Esses pretos norteamericanos são alucinantes. Tem-se a impressão de que não passam de bonecos de mola, feitos de borracha, desses que caem mas não se quebram. O “Congeroo”, positivamente, não é uma dança de salão, mas, antes de tudo, a expressão de um ritual nativo, inspirado na cadência dos “tan-tans” africanos e adaptado aos ritmos das músicas modernas. 

Os “Whitey”, que vieram do Harlem diretamente para a Urca, são, realmente, uma novidade para os cariocas, entretanto, outra novidade não menos surpreendente são os “Irmãos Queirolos”, cinco jovens brasileiros que realizam prodígios no “stage” da Urca e todas as noites elevam ao máximo o entusiasmo da seleta assistência que não lhes regateia aplausos. No gênero que escolheram os “Irmãos Queirolos” foram verdadeiras revelações e com a coragem e perícia que os caracteriza nada ficam a dever aos mais afamados artistas de renome internacional. 

Completando esse “show”, a Urca apresenta ainda uma linda apoteose em homenagem à heróica Marinha de Guerra do Brasil no quadro “Fantasia Naval”. Depois de tudo isso, vale a pena citar ainda, no rol das atrações da atual temporada do “grill” refrigerado da Urca, os números de Vic and Joe, dos “Three Fouzals”, de Madeleine Rosay, em “Reminiscências”, sua última criação e outros igualmente interessantes. 

Diário da Noite – 7 de janeiro de 1942

Diário da Noite | 7-1-1942 

O SOL <<ESFRIA>> E O FRIO <<ESQUENTA>>>… 
Na rua, com sol – Na Urca, com ar refrigerado – Um novo quadro de Carnaval, depois de amanhã 

Se é verdade que o Carnaval de rua vai acabar, maior verdade é que o Carnaval da Urca já principiou e terminará somente na madrugada de quarta-feira de Cinzas. Nasceu na noite do “reveillon” e continuará imperando depois do próximo dia 9, com a estreia do “show” que apresentará aos habitués da Urca a graciosa “vedete” Beatriz Costa, os “Whitey Congeroo Dancers” dansando o frevo e os melhores artistas do “cast da Urca. Na rua, o sol esfria o entusiasmo dos folguedos, enquanto, na Urca, o ar refrigerado esquenta a animação. Todos os salões da Urca foram preparados afim de oferecer aos seus frequentadores um clima indicado para as grandes aglomerações em recinto fechado. Portanto, um ambiente de encomenda, fresco e saudável, para a agitação de um carnaval em grande estilo. Depois de amanhã uma sensacional estréia na Urca. 

Revista O Cruzeiro | 1939 (edição 40) 

VAMOS DANÇAR, MAS ASSIM… 

“Vamos dansar – dirá o leitor – mas assim é demais!” E com razão, porque isto que no Harlem, de Nova York, os “coloreds” chamam de dansa, é mais uma loucura desenfreada, com nomes de Lindy Hop, Top Hat ou Big Apple. Na verdade, nada existe de mais maluco no mundo… 

Legendas: 
– “Saltando a cerca”, á direita. 
– Em baixo: – “Over the head snatch” chama-se este passo… 
– O “Big Apple” do Harlem.